Skip to content

Primeiros passos com o VIM

Não sei se você já ouviu falar, mas no linux existem um editor que abre uma telinha preta e fica fazendo um monte de bips já deve saber o que é o VIM. Se você estiver pensando se vale a pena usar essa telinha você veio ao lugar certo.

Por que comecei a usar o VIM?

No começo de 2017 acabei saindo definitivamente da minha vida de Javeiro e fui buscar coisas novas, então acabei indo para outra empresa que usava como core o Ruby. Descobri lá que o pessoal usava uma telinha preta para programar no Ruby e descobri o VIM, na verdade já conhecia o VI e o utilizava bem em servidores, o que me chamou a atenção é que ao contrário do VI o VIM tinha autocompletar, arvore de diretórios, programação em abas e achei uma loucura.
Como eu era do java estava acostumado a usar o eclipse, é uma ferramenta bem poderosa, porém só pra começar a trabalhar demorava uma eternidade, fora o consumo de memória. Além disso as vezes eu queria mexer em apenas uma linha de código e tinha que esperar 10 minutos para o eclipse subir, fazer a alteração e depois compilar. Então comecei a introduzir o VIM para fazer essas alterações, rodando o Maven por linha de comando para fazer as compilações dos pacotes.
Com o tempo achei esse troço maneiro e subistitui também meu VSCode que usava pra programar em python para o VIM assim fui gradualmente aprendendo seus atalhos e ganhando muito em produtividade.

Por que o VIM é legal?

Bom essa pergunta tem várias respostas mas, vou colocar aqui as minhas. Eu trabalho com Python porém eu mexo muito em servidores, o VIM me ajuda a fazer edições de forma rápida e simples. Ele possui um bom sistema de atalhos, então você consegue trabalhar bem mais rápido sem necessidade do mouse, você pode se perguntar, por que isso é importante? Quando você não desenvolve durante a maior parte do tempo talvez não faça tanta diferença, porém se você desenvolve a maior parte do dia ter a vantagem de ter tudo sem precisar mudar a posição das mãos da um ganho gigantesco de produtividade.
O VIM tem um sistema de plugins muito interessante, você pode adptar o editor para deixar do jeito que você gosta, como ele roda direto do prompt o custo de memória dele é bem baixo além de poder trabalhar com o sistema de abas e uma arvore de diretório que deixa ele praticamente igual no quesito de funcionalidade ao sublime, vscode ou atom.

Um passo de cada vez

Um ponto que é bom reforçar é que pro bem ou para o mal o VIM não atende ao quesito de facilidade de aprendizagem. Pois, ele não é muito didatico para te ensinar a usar, porém tem ótimos materiais na internet como o material do aurelio sobre vim, o VIM Adventures que é um jogo que te ensina a usar o VIM e o VIM Genius que é a mesma proposta mas, é free.
Mas, minha principal dica para quem quer começar a se aventurar é, aprenda um comando por dia e use-o, pois assim por mais que demore um pouco para você ter a mesma produtividade, depois de algum tempo, você acaba ficando ainda mais produtivo que antes. Mas, como diz um proverbio Chinês "Uma marcha de 10 000 Km começa com o primeiro passo", então tente aprender um passo de cada vez e assim você vai crescendo.

Começando de algum lugar

Bom, o intuito desse post é te incentivar a usar o VIM, então vou dar algumas dicas para iniciantes.
Em primeiro lugar como entrar no vim, normalmente no linux ele já vem instalado se estiver usando Mac é possivel dar um brew vim para instala-lo. Entrando em um terminal você pode dar simplesmente um vim e ele abrirá a aplicação ou você pode navegar até algum diretório e selecionar um arquivo digitando vim nomedoarquivo.extensao e pronto você abriu um o VIM.
Agora legal como edito? Nesse momento você já vai precisar ver o editor de forma diferente, pois, para editar você precisa entrar no "modo insersão", e como entrar nele? Simplesmente apertando a tecla "i" do seu teclado ai você pode já editar com ele, terminou e quer salvar? Você precisa apertar a tecla "esc" para ir ao "modo normal". No modo normal que é o modo que você entra automaticamente quando abre o VIM, você pode salvar, sair, sair sem salvar, sair e salvar. Para você informar ao VIM que você quer fazer esses comandos no modo normal você sempre vai começar digitando dois pontos ":", o comando que você quer e depois enter, para exemplicar vou colocar os comando abaixo:

  • Salvar :w
  • Sair :q
  • Sair sem salvar :q!
  • Sair e salvar :qw ou :x

No começo pode ser um pouco alienígena mas, depois você vai entendendo a lógica por trás dos comandos.

Começando com o VIM já turbinado

Bom, depois de ver o VIM da sua forma inicial, talvez você queira começar ele com algumas coisas já embutidas como o linter da suas linguagem preferida, para isso existe um site chamado Vim Boostrap, onde ele já gera um arquivo de configuração com várias funcionalidades já embutidas nele.
Esse arquivo precisa ficar assim no caso /home/seu-usuario/.vimrc no caso do VIM.
Ou você precisa colocar assim /home/seu-usuario/.config/nvim/init.vim no caso no Neo Vim que é o que uso atualmente.
Assim você já vai ter coisas como cores, numero das linhas e outras funcionalidades a mais que acabam te ajudando. Caso não goste de alguma coisa é só editar esse arquivo e customiza-lo da forma que você achar melhor.

Conclusão

Bom para concluir esse texto, é bom você ter em mente que o processo de aprendizagem do VIM precisa de dedicação. Pois, você vai perder em produtividade no começo até pegar o jeito dele. Mas, resalto que vale a pena insistir no aprendizado.
Você verá que vai conseguir ser mais produtivo usando esse poderoso editor, além disso ainda ficará mais fácil no hora de mexer com arquivos dentro do servidor usando essa ferramenta.
Não deixe de comentar quais foram suas experiências com o vim aqui nos comentários.

Published inUncategorized